Pesquisar

Historial

Esta Companhia

O TEATRO DA CORNUCÓPIA é uma empresa teatral fundada e dirigida por Luis Miguel Cintra e Jorge Silva Meio com os seguintes objectivos, características o plano de actividades para a primeira temporada:

 

I. Objectivos

 

Tendo em vista que:

  1. A tendência de certo jovem teatro profissional tem sido a afirmação de uma vocação de vanguarda destinada a um púlico já formado e necessariamente restrito;
  2. Tem sido eficaz a corajosa tendência que se verifica em alguns grupos profissionais para afirmar um teatro responsável pela sua estética e pela sua ideologia;
  3. O teatro profissional português tem tentado uma renovação de reportórios baseada fundamentalmente em textos contemporâneos, recorrendo apenas muito ocasionalmente aos clássicos;
  4. A crise de público que se tem manifestado é sobretudo uma crise de formação de público e é urgente a formação de público jovem;
  5. O teatro profissional português visa quase exclusivamente um público adulto e o teatro que se destina ao público infantil é declaradamente pouco interessante para um público adolescente;

Pretende esta companhia:

  1. Apresentar quase exclusivamente textos clássicos universais de reconhecida importância não segundo uma concepção académica tradicional mas recriando-os em termos de um teatro contemporâneo informado pela consciência da época histórica da cultura em que eles se inserem (para o que utilizará uma linguagem teatral renovada que tomará ao mesmo tempo em conta essa conjuntura histórica e os tornará vivos e capazes de despertar o interesse de um público moderno);
  2. Atribuir à encenação a importância fundamental que, desde o princípio do século, tem no teatro contemporâneo e que não é ainda reconhecida pela maior parte do público;
  3. Colaborar na acção mais geral das jovens companhias profissionais que se têm afastado da produção regular;
  4. Realizar espectáculos que, pela acessibilidade dos temas e dos tratamentos cénicos, possam interessar simultâneamente o público adulto já formado pela actividade das restantes companhias e o público jovem que ainda não tem consciência nem hábitos de espectador e assim tentar várias formas de aproximação do público adolescente.

 

II. Características

 

Tendo em vista que:

  1. Os objectivos são sobretudo de ordem cultural;
  2. Um dos objectivos é o da formação de um outro público;
  3. O êxito de bilheteira não estará desde o início garantido e antes se terá de ir garantindo graças a uma certa continuidade;
  4. As obrigações e despesas de exploração de uma sala de espectáculos por um período prolongado sobrecarregam demasiadamente o orçamento geral de uma companhia em início de actividade;
  5. Uma carreira curta de um espectáculo, devidamente publicitada, acaba por abranger um mesmo público que uma carreira normal;
  6. A ausência de público adolescente se pode atribuir fundamentalmente à falta de hábito de ir ao teatro (para a qual contribui a já acima referida percentagem de peças exclusivamente dedicado a um público adulto) e à falta de motivação desses jovens para cada espectáculo;
  7. O programa proposto exige uma continuidade estética e uma regularidade de trabalhos;

Esta companhia:

  1. Terá necessariamente de se basear economicamente em subsídios recebidos e só parcialmente em receitas de bilheteira;
  2. Estreará 3 a 4 espectáculos por ano;
  3. Realizará séries de 3 a 4 semanas com cada um dos espectáculos em teatro;
  4. Não terá sala própria;
  5. Recorrerá a salas de espectáculos de Lisboa para, mediante empréstimo ou aluguer, realizar os seus espectáculos;
  6. Tentará, de acordo com as autoridades escolares, motivar directamente os jovens por meio de idas colectivas aos espectáculos, realização de espectáculos em vários estabelecimentos de ensino secundário, realização, em complemento tanto de umas como de outras, de reuniões de análise dos textos e das formas teatrais com os alunos, nos seus próprios estabelecimentos de ensino;
  7. Terá dois encenadores permanentes trabalhando alternadamente.

 

III.  Plano de actividades

 

Na presente temporada conta estrear três espectáculos:

O MISANTROPO, de Molière

A ESTALAJADEIRA, de Goldoni

A ILHA DOS ESCRAVOS, de Marivaux




Política de privacidade